Scan to Download ios&Android APP


Previsão do FTSE 100: será agora a altura de investir no índice?

04:40, 22 November 2021

Share this article

Have a confidential tip for our reporters?

Previsão do FTSE 100

O Índice FTSE 100 (UK100), também conhecido como o “Footsie”, é composto pelas 100 maiores empresas listadas na Bolsa de Valores de Londres (LSE), classificadas por ordem dos seus valores de mercado. Este número do “valor de mercado” é calculado multiplicando o preço das ações da empresa pelo número de ações que esta emitiu. O índice é revisto quatro vezes por ano – março, junho, setembro e dezembro – para assegurar que estão incluídas as empresas com maior valor de mercado.

Segundo a FTSE Russell, o fornecedor o índice que supervisiona o FTSE 100, o habitual rebalanceamento trimestral desempenha um papel importante na dinâmica do mercado bolsista do Reino Unido:

“As revisões trimestrais imparciais e baseadas em regras asseguram que os índices continuam a refletir com precisão o mercado que representam e são um componente essencial para a gestão dos índices.”

Quaisquer alterações de constituintes são implementadas após o fecho comercial na terceira sexta-feira do mês da revisão. Isto significa que entrarão em vigor na segunda-feira seguinte.

O Índice FTSE 100 é amplamente considerado como um barómetro da saúde de investimento no Reino Unido, mesmo embora muitas das empresas no índice sejam negócios globais.

O FTSE 100 hoje

As cinco maiores empresas no FTSE 100 representam praticamente 25% do total do índice, segundo a FTSE Russell. A AstraZeneca (AZN), o gigante farmacêutico, é a maior ação com um valor de mercado de pouco mais de 131 mil milhões de GBP. Esta também compõe praticamente 7% do índice. A Unilever (ULVR), a empresa de bens de consumo, é a próxima maior com um valor de mercado de 105 mil milhões de GBP e um peso de 5,46% no índice.

A empresa de bebidas Diageo (DGE), o banco HSBC (HSBA) e a empresa farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) são as próximas maiores empresas que surgem no índice.

Há atualmente 19 setores incluídos no FTSE 100, com os bens e serviços industriais a serem os mais populares, com um total de 18 empresas representadas. Estes são seguidos pelos serviços financeiros, com 10 empresas, dos recursos básicos, com oito, e seis ações nos serviços e produtos de consumo.

Os mais recentes desenvolvimentos do FTSE 100

A novidade mais recente do FTSE 100 é que a cadeia de supermercados britânicos Morrisons (MRW) e o grupo de defesa e indústria aeroespacial do Reino Unido Meggitt (MGGT) foram promovidas na mais recente revisão trimestral do índice. Ambas as empresas assistiram a um crescimento considerável do preço das suas ações nos últimos meses dado que estiveram sujeitas a entusiásticas batalhas de aquisição.

A Morrisons, a quarta maior cadeia de supermercados do Reino Unido, beneficiou da atenção dos grupos acionistas privados e rivais Clayton, Dubilier e Rice, e por um consórcio liderado pelo Fortress Investment Group.

A Meggitt, entretanto, assistiu a uma subida do preço das ações enquanto os grupos de engenharia norte-americanos Parker-Hannifin e TransDigm esgrimiram argumentos numa licitação para assumir o controlo do negócio.

Entretanto, a Weir Group (WEIR), a empresa de engenharia escocesa, foi despromovida para o FTSE 250. Tal como a Takeaway.com saiu recentemente do índice por um diferente motivo – a sua nacionalidade foi reatribuída do Reino Unido para os Países Baixos, tornando-a inelegível para ser incluída nos índices do Reino Unido.

A performance do FTSE 100 desde o início da COVID-19

O FTSE 100 caiu dramaticamente a 12 de março de 2020 dado que os preços das ações sentiram os efeitos da escalada crescente da crise provocada pela COVID-19, entre os receios de uma recessão global. Mais de 191 mil milhões de GBP foram retirados ao seu valor quando afundou 10,87% na sua pior sessão desde a queda da Segunda-feira Negra de 1987.

Embora tenham havido alguns contratempos nos 18 meses seguintes, o FTSE 100 tem vindo gradualmente a aumentar o seu valor desde então, segundo a análise da Statista.

O FTSE 100 tem, em termos gerais, desfrutado de um período decente em 2021. Este iniciou o ano por volta dos 6 500 pontos, com grande parte do mundo ainda a lidar com os confinamentos provocados pelo coronavírus. As preocupações relativas às restrições globais mais rígidas implementadas para gerir o vírus fizeram com que o índice se afundasse para valores a rondar os 6 400 pontos no final de janeiro. No entanto, a situação melhorou desde então. Em meados de abril, este subiu acima dos 7 000 pontos pela primeira vez em 2021 e atingiu o nível dos 7 220 pontos no primeiro par de semanas de agosto – o seu nível mais alto do ano até à data.

A 3 de setembro, o índice terminou o dia de negociação nos 7 138 pontos.

A 31 de agosto de 2021, durante o último ano, o FTSE 100 retornou 23,6%. Nos últimos seis meses este assistiu a um retorno de 12,4%. O retorno anual composto a três anos, entretanto, situa-se nos 7,5%, enquanto o valor a cinco anos se situa nos 27,5%. No entanto, o retorno deste ano para o FTSE 100 é de 13,3%, ficando atrás do FTSE 250, que teve um retorno de 19,3% durante o mesmo período de tempo.

Analisando a performance passada do índice, quais são as previsões do FTSE 100 dos especialistas de mercado?

Previsões futuras do FTSE 100: o que se segue para o índice das empresas de grande porte?

A performance do FTSE 100 é na realidade menos excitante do que a do FTSE 250, segundo Sarah Coles, analista financeira pessoal na Hargreaves Lansdown. Ela disse à Capital.com:

“Em tempos difíceis, os investidores tendem a colocar a sua fé nas empresas de grande porte, mas nos últimos 20 anos, o FTSE 250 saiu-se muito melhor do que o FTSE 100.”

Coles acredita que isto se deve parcialmente a um jogo de números: “Se é uma empresa massiva, melhorar os seus lucros em 1% envolve um enorme aumento em termos de dinheiro. Caso seja ligeiramente mais pequeno, então é muito mais fácil registar uma subida desta magnitude.”

Ben Yearsley, diretor de investimento na Shore Financial Planning, acredita que há um motivo para o FTSE 100 não ter rendido retornos fantásticos na última década. Numa nota à Capital.com, ele explicou:

“Sendo um índice, este depende imenso do valor e pouco do crescimento. Este é um dos principais motivos para a sua performance pouco brilhante quando o crescimento e a tecnologia têm impulsionado os mercados globais.”

Além disso, também depende fortemente dos dividendos. Yearsley acrescentou: “Isto não ajudou no último ano quando muitos dos dividendos foram cortados ou suspensos. No entanto, isso deve representar algo de positivo no futuro, à medida que as empresas procuram recuperar; a produção de receita deve ser decente durante os próximos anos.”

Afinal, qual é a perspetiva sobre o FTSE 100?

Como é óbvio, prever a projeção de movimento de um índice é muito difícil devido à enorme quantidade de empresas – cada com os seus respetivos positivos e negativos. As perspetivas para as empresas individuais, problemas de setor globais e uma ampla variedade de fatores económicos influenciarão os retornos do FTSE 100 a curto-prazo, bem como em períodos mais longos, tais como 2025 e 2030.

À medida que o mundo recupera dos efeitos da COVID-19, o FTSE 100 poderá atingir os 8 000 pontos durante o próximo ano, segundo as previsões do FTSE da Longforecast. Esta prevê um valor mínimo de 7 528 pontos para setembro de 2022 e um máximo de 8 490 pontos.

Entretanto, a plataforma de dados Trading Economics projeta que o índice recuará nos próximos 12 meses. A sua previsão do FTSE 100 indica que o mercado tem o potencial para cair para os 6 964 no final de setembro, caindo ainda mais, para os 6 458, dentro de um ano.

PREVISÃO DO FTSE 100 A UM ANO

Russ Mould, diretor de investimento na AJ Bell, disse à Capital.com que o índice será provavelmente afetado por diferentes panos de fundo económicos: “O FTSE 100 tem o potencial para sair-se bem num ambiente em que o crescimento económico global é forte, em que o ciclo é ascendente, a inflação está a subir a pique e as taxas de juro estão a subir e as curvas de rendimento global são claramente ascendentes.”

Por outro lado, há condições nas quais pode ter uma vida mais difícil. Na sua previsão do UK100, Mould acrescentou: “Este pode passar por dificuldades caso haja uma descida global inesperada ou caso permaneçamos atolado no crescimento lento, baixas taxas de juro e baixa inflação que têm caracterizado a última década.”

Quando considera os comentários dos analistas ou as previsões dos serviços de previsão baseados em algoritmos, é importante ter em consideração que estes podem errar nas suas estimativas. Deve realizar sempre a sua respetiva pesquisa para formar a sua perspetiva sobre um ativo e as condições de mercado relevantes.

Como investir no Índice FTSE 100?

Pode obter ampla exposição ao FTSE 100 através de fundos que acompanham índices. O valor da sua posição subirá – ou descerá – em linha com o movimento do índice. Pode ser virtualmente impossível para os investidores individuais replicarem o índice desta forma dentro dos seus respetivos portefólios.

Outra forma de negociar o Índice FTSE 100 é com contratos por diferença (CFDs) na Capital.com.

Os CFDs dão-lhe a oportunidade de tentar lucrar quer com flutuações de preço positivas quanto negativas. Caso espere que o índice vá subir, pode abrir uma posição de compra. Caso ache que vai descer, pode optar por uma posição de venda.

Outra vantagem da negociação com CFD é que pode utilizar a alavancagem para abrir posições significativamente maiores com uma quantia mais reduzida de capital inicial. No entanto, deve ter em consideração que a utilização da alavancagem também maximiza o tamanho das suas perdas caso o preço das ações se desloquem contra a sua posição.

Certifique-se de que compreende como funcionam os CFDs antes de começar, e nunca invista mais dinheiro do que aquele que pode dar-se ao luxo de perder. Saiba mais sobre os CFDs de índices com o nosso guia completo. Crie uma conta na Capital.com e mantenha-se a par das últimas notícias, análises e previsões do FTSE para detetar as melhores oportunidades de negociação.

Perguntas Frequentes

O FTSE 100 é um bom investimento?

Depende daquilo que quer alcançar e do seu apetite pelo risco. Caso acredite que o FTSE 100 continuará a subir a longo-prazo, então talvez queira usufruir de alguma exposição. No entanto, tem de realizar a sua respetiva pesquisa sobre o UK100.

Será que o FTSE 100 continuará a subir?

Dependerá fortemente se a COVID-19 continua, ou não, a ser uma ameaça para os mercados internacionais durante o resto de 2021 e inclusive já em 2022.

Devo investir no FTSE 100 agora?

​​Depende dos seus objetivos de investimento. Se procura uma dispersão diversificada de empresas reconhecidas com negócios internacionais, este pode adequar-se. No entanto, se quiser uma exposição mais focada na economia do Reino Unido, então o FTSE 250 é provavelmente uma melhor representação desta. Todas as suas decisões de investimento devem basear-se na sua respetiva pesquisa.

Capital Com is an execution-only service provider. The material provided on this website is for information purposes only and should not be understood as an investment advice. Any opinion that may be provided on this page does not constitute a recommendation by Capital Com or its agents. We do not make any representations or warranty on the accuracy or completeness of the information that is provided on this page. If you rely on the information on this page then you do so entirely on your own risk.

Ainda à procura de uma corretora em que possa confiar?


Junte-se aos mais de 400.000 negociadores em todo o mundo que escolheram negociar com a Capital.com

1. Crie e verifique sua conta

2. Faça um depósito

3. Encontre a sua negociação